Moradores de empreendimentos do PNHU vão aprender a produzir joias com materiais recicláveis

12/02/2015

Moradores de empreendimentos do PNHU vão aprender a produzir joias com materiais recicláveis

 

A técnica, certificada em 2011 pelo Prêmio Fundação Banco do Brasil, gera trabalho e renda e promove cidadania aos participantes

Por Dalva de Oliveira 
 
Brincos, pulseiras, colares, chaveiros, marca páginas e porta-guardanapos, todos elaborados a partir de embalagens plásticas como, garrafas pet, detergentes e xampus, essa é a tecnologia social Joias Sustentáveis na Ilha das Flores.

Criada em 2008 pela Redecriar - Reciclando a Cidadania em Rede Interdisciplinar, a inciativa foi implementada na Ilha das Flores, uma comunidade carente de Porto Alegre (RS) e é uma das cinco iniciativas que será reaplicada pelas 38 entidades credenciadas pela Fundação Banco do Brasil no edital do Programa Nacional de Habitação Urbana – PNHU, em desesseis estados brasileiros.  

A ação prioriza o reaproveitamento de materiais recicláveis com o intuito de reduzir o volume de lixo produzido, além de capacitar moradores de comunidades em situação de vulnerabilidade para criação e confecção de joias sustentáveis. A técnica, certificada em 2011 pelo Prêmio Fundação Banco do Brasil, gera trabalho e renda e promove cidadania aos participantes.

Os produtos recebem adornos de missangas, que agregam mais beleza e valor as peças. Quem os compra, além de adquirir produtos bonitos e de qualidade, contribue para preservação do meio ambiente.

"Minha expectativa é que as capacitações façam diferença nas vidas dos participantes, não somente na renda, mas que façam sentido nesse momento em que estamos vivendo na questão ambiental. Daí o porquê de reaproveitar as embalagens, ter a sustentabilidade levada para a prática", destacou Andréa Jaeger Foresti, responsável pela tecnologia. 

Além da tecnologia social “Rede Criar – Joias Sustentáveis na Ilha das Flores, outras quatro iniciativas também serão reaplicadas pelas 38 entidades credenciadas pela Fundação BB: “Transformando Realidades por meio da Mobilização e Organização Comunitária”; “Bibliotecas Comunitárias Vaga Lume”; “Gestão Comunitária de Resíduos Orgânicos e Agricultura Urbana - Revolução dos Baldinhos” e  "Produção Agroecológica de Alimentos em Meio Urbano”. Os projetos foram certificados pela Fundação BB e estão no acervo do Banco de Tecnologias Sociais.
 

Banner 30 Anos FBB