Quinta, 16 Março 2017 11:07

Projeto começa produção de leite agroecológico em Periquito (MG) Destaque

Escrito por Paula Crepaldi
Avalie este item
(1 Votar)

Emprego de metodologia francesa melhora saúde do gado, corta custos na produção e conta com o apoio da Fundação BB

Produtores familiares em Periquito (MG) estão iniciando a produção de leite agroecológico – sem fertilizantes químicos e agrotóxicos na plantação que serve de alimento para o gado, além do uso de medicamentos homeopáticos nos animais. A metodologia adotada pela Associação de Cooperação Agrícola do Assentamento Liberdade (ACOAL) é conhecida por Pastoreio Racional Voisin (PRV). A entidade vai estruturar quatro propriedades de referência pelo PRV, que servirão de modelo para os 33 associados da entidade. O projeto conta com recurso de R$ 178 mil da Fundação Banco do Brasil.

O PRV divide a área de pastagem em pequenos pedaços para alternar por onde o rebanho passará o dia. O revezamento do pasto permite o uso mais racional da área de pasto, de forma que o gado tem alimento o tempo todo sem prejudicar o crescimento da grama.

Na prática agroecológica há integração entre várias espécies vegetais e animais e equilíbrio dos componentes do solo, respeitando os ciclos da natureza. Isso permite a diversificação de vegetais na alimentação das vacas - como leguminosas, frutíferas e medicinais, com ganho em nutrição e saúde - e a redução do volume de insetos que estragam a plantação.

Além de melhorar a saúde do gado e evitar a contaminação da água e do solo, a nova forma de trabalho vai permitir economia de até 70% nos custos com remédios e ração, que será eliminada do cardápio, afirma a secretária geral da Coal, Vania Maria de Oliveira. "As técnicas vão trazer melhor condição de produzir o leite e mais economia. Estamos trabalhando com a meta de quase dobrar a produção, em dois anos, que em janeiro foi de 30 mil litros".

De acordo com Vania, cada família assinou um termo de compromisso de não usar produtos químicos nem na terra e nem no gado. Por isso, vão aprender as técnicas de homeopatia para o uso de medicamentos.

"Era um sonho antigo da gente investir nesta tecnologia. Dar um salto no modelo agroecológico é fundamental porque a vida da gente e a vida do planeta tem que ser cuidada e agroecologia é viver em mais harmonia com a natureza", concluiu Vania.

Recuperação ambiental

Mais ações de recuperação ambiental e de geração de emprego e renda para agricultores familiares estão iniciando em outras quatro cidades na região leste de Minas Gerais: Aimorés, Caratinga, Coronel Fabriciano e Dionísio. Os convênios com a Fundação BB e entidades sem fins lucrativos foram assinados entre os dias 17 e 23 de fevereiro.

São projetos de produção de hortaliças, de recuperação de matas ciliares e de implantação de fossas ecológicas, que vão atender aproximadamente 1,9 mil agricultores familiares, com o investimento total de cerca de R$ 814 mil.

Todas as iniciativas citadas foram selecionadas via edital em 2016 para promover a inclusão socioprodutiva de famílias que foram impactadas pelo rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, que poluiu a Bacia do Rio Doce, em 2015. As ações em 36 municípios de Minas Gerais e quatro do Espírito Santo são realizadas em parceria entre a Fundação BB e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e entidades locais.

A realização deste projeto contempla quatro Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que fazem parte da Agenda da Organização das Nações Unidas com metas para o ano de 2030.

2 3 8 12

Ler 760 vezes Última modificação em Quinta, 16 Março 2017 12:13

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.